MAS AFINAL, O QUE É A TERAPIA DA FALA?

De facto, ainda existe um grande desconhecimento dos indivíduos em geral quanto à prática da Terapia da Fala.  Deste modo, pretende-se desmistificar as ideias erradas ligadas a esta profissão, bem como tentar alertar a população para a importância do Terapeuta da Fala nas suas vidas.

Quem é o Terapeuta da Fala?

Apesar de o próprio nome da profissão induzir em erro, a Terapia da Fala não serve apenas para “ensinar a falar”. Na verdade, em Portugal o Terapeuta da Fala é o profissional de saúde que estuda, avalia, intervém e ajuda a prevenir alterações relacionadas com a comunicação humana e todos os processos e funções a esta associada, atuando também ao nível da deglutição. De uma forma mais clara, as áreas de intervenção da Terapia da Fala são:

  • a comunicação: sempre que o utente apresente algum tipo de dificuldade de interação, seja ela verbal (como por exemplo a fala ou a escrita) ou não verbal (como no caso da linguagem corporal ou expressão facial);
  • a articulação: quando ocorrem trocas, distorções ou omissões de sons durante a fala;
  • a linguagem: nos casos em que existem dificuldades ao nível da compreensão ou da expressão; estas dificuldades podem ser ao nível da linguagem oral ou escrita;
  • a voz: quando o paciente apresenta algum tipo de alteração vocal, como rouquidão, disfonia (dificuldade em produzir voz) ou afonia (ausência de voz), em situações de aperfeiçoamento ou alteração dos padrões vocais;
  • a fluência: nas situações em que existe alguma dificuldade em encadear os sons da fala, como na gaguez (situações em que no discurso do indivíduo se observem bloqueios, omissões, repetições, prolongamentos de sílabas e/ou pausas excessivas), na taquilália (quando a velocidade do discurso do indivíduo é muito elevada) e/ou na taquifémia, que é a junção das anteriores.
  • a motricidade orofacial: sempre que seja necessário estabelecer ou restabelecer as funções estomatognáticas (sucção ou ato de “chuchar”, mastigação, deglutição, fala e respiração);
  • a deglutição: nos casos em que o utente apresenta engasgos frequentes ou algum tipo de dificuldade no ato de engolir e/ou mastigar.

Tendo em conta os campos de atuação do Terapeuta da Fala, não são só as crianças que necessitam do auxílio desta valência. Na realidade, e como é possível perceber esta atuação é muito mais abrangente, estendendo-se desde o recém-nascido ao idoso.

A quem se destina a Terapia da Fala?

Esta especialidade destina-se a pacientes de todas as idades, desde recém-nascidos a idosos, exibindo atuações variadas consoante as diferentes faixas etárias, nomeadamente:

  • no recém-nascido: a intervenção é essencialmente ao nível da comunicação e no sentido de ultrapassar possíveis dificuldades de alimentação que resultem de alterações das funções de sucção e deglutição;
  • na idade pré-escolar: nestas idades, apesar de ser realizado um trabalho ao nível de áreas como a voz ou a respiração, sendo este o momento que antecede a entrada no 1º ciclo, o foco principal é o combate a lacunas da linguagem (como a organização do discurso ou o respeito de regras morfológicas) e da articulação, que se não forem colmatadas poderão trazer prejuízos evidentes na aquisição da leitura e da escrita;
  • na idade escolar: o Terapeuta da Fala detém especial enfoque nas perturbações da leitura e da escrita, na potencialização da comunicação e na gaguez;
  • na idade adulta: existe particularmente uma ação ao nível das alterações da comunicação, da linguagem falada e escrita e da deglutição, que podem ocorrer devido a lesões cerebrais (como tumores, demências ou AVC’s), mas também na gaguez e em alterações vocais, especialmente em pessoas que utilizam muito a voz na sua profissão;
  • na população idosa: a Terapia da Fala centra-se na reabilitação da deglutição e na comunicação, nomeadamente nos casos em que o indivíduo perde a capacidade de comunicar com os outros.

Independentemente da idade, a Terapia da Fala visa sempre a promoção de competências que propiciem a autonomia do indivíduo, aumentando a sua participação na sociedade e, consequentemente, a sua qualidade de vida.

 Quando procurar um Terapeuta da Fala?

Sinais de alerta na criança:

  • Tem dificuldades ao mastigar, engolir ou engasga-se com frequência;
  • Tem 2 anos e ainda não fala;
  • Não percebe o que lhe é dito;
  • Fala pelo nariz;
  • Tem mais de 4 anos e gagueja;
  • Fica rouco com frequência;
  • Troca um som/letra ao falar, ler ou escrever;
  • Não diz um ou alguns sons;
  • Apresenta dificuldades ao ler ou escrever.

Sinais de alerta no adolescente/ adulto:

  • Sente a voz rouca;
  • Sente cansaço vocal;
  • Gagueja;
  • Baba-se ou engasga-se com frequência;
  • Tem dificuldades em mastigar ou engolir;
  • Tem dificuldades em fazer-se compreender ou perceber o que lhe é dito;
  • Tem dificuldades ou perde a fala.

O TERAPEUTA DA FALA PODE FAZER A DIFERENÇA NA SUA VIDA!

O Terapeuta da Fala pode fazer diferença na vida das pessoas quer a nível preventivo (ao potenciar capacidades ou ao evitar que o indivíduo venha a desenvolver determinada perturbação), quer na reabilitação de capacidades perdidas ou diminuídas.

É importante perceber-se que o sucesso da Terapia da Fala está intimamente ligado a uma intervenção o mais precoce possível de forma a colmatar-se desde cedo os problemas existentes, assim como à existência de um trabalho em equipa não só com profissionais de outras valências (como Dentistas, Professores, ORL, Fisioterapeutas), mas também e essencialmente com as famílias e/ou cuidadores do utente.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.